quarta-feira, 30 de julho de 2014

Noites perdidas





Noites perdidas

Quando a canção há muito esquecida invadiu meus ouvidos,
Assustei-me ao relembrar as risadas, as danças e os sorrisos.
Foi como se revivesse noites de belas damas em belos vestidos
E o vinho a rolar, provocando risos promíscuos, beijos esquivos.

E eu sentia o poder daquela canção e seu ritmo alucinante,
Aquela mesma música trilha sonora de inebriantes paixões
Que, hoje, ao senti-la, eriçam-me os pelos, tremo cambaleante
E me vejo, como antes, esquecida num canto daqueles salões.

E sinto a saudade de tudo aquilo que não foi vivido, nem esquecido.
E a volta daquelas noites torturantes de solidão, ainda latente,
Que arde como queimadura que dói, sem cura e sem lenitivo...

Já não existe mais a esperança daquela menina inocente
Que, um dia, quis ser, quis ter, não foi e nem teve incentivo
E que finge agora o mesmo riso e a mesma face contente. 


Jane Moreira




Completamente ligados





Completamente ligados

C enário de povo enlutado:
O diando e sendo odiado,
M atando e orando,
P ales[des]tinos e israelenses.
L ágrimas da mãe exaurida,
E ódio nos olhos do pai.
T oda guerra é insana...
A rmados homens e meninos,
M orrendo como coisa à toa
E completamente obcecados...
N o cenário do povo enlutado,
T odos rezam a mesma oração
E se armam de ódio no coração.

Jane Moreira


 "Tudo é amor. 
Até ódio, o qual julgas ser a antítese do amor, 
nada mais é senão o próprio amor que adoeceu gravemente.
" Francisco Cândido Xavier

Amor eterno (um soneto livre)


Mote:
''O que a memória ama, fica eterno.
Te amo com a memória, imperecível.''
Adélia Prado



Amor eterno

Meu amor é forte como o aço 
e suave como o algodão.
Brilha na calma e na paixão
e repousa em meu cansaço.

Se adormeço, meu amor 

é meu anjo, vigiando a escuridão,
Se sofro, o afago sincero afasta a dor
e faz a minha renovação...

E não poderia ser menor esse amor 

que ultrapassa o tempo e o espaço
para chegar a meu abraço.

Amor que se renova, esse valioso condão,
Sublimação de quem o vive em cada compasso
E se renova tal qual a alegria e a vida em comunhão.




Jane Moreira






Nova[mente]

MOTE
“(..) com a barriga vazia não consigo dormir, e com o bucho mais cheio comecei a pensar
que eu me organizando posso desorganizar, que eu desorganizando posso me organizar.


Da lama ao caos”
Chico Science



Nova[mente]

Parada,
Preparo,
Penso e projeto,
Me canso
E descanso,
No mesmo lugar.
E corro mansamente
E livremente
Me prendo
No mesmo lugar.
Sou eu, sem certezas,
Sem tristezas, coerente
Com a natureza.
Penso
E organizo na mente,
E depois desorganizo,
Para organizar nova[mente].
No mesmo lugar...
E viajo
E faço maravilhas,
Sem sair do lugar.


Jane Moreira

























Alma peregrina






Alma peregrina


Eu sou quem não olvida o que me fascina.
Eis porque a chama rubra e vibrante de outrora
Ainda arde e queima nesta alma peregrina,
Sendo a mesma de ontem, a mesma de agora.

Enclaustrei a perigosa flama lasciva
E silente, uma fria muralha ergui.
Enquanto acalentava a chama aflitiva,
Alimentava-a para dar-te em frenesi.

Atravessando a noite fria de purpurina,
Encantas-te com o simples arrebol...
Eis-me aqui, eu que sou tua alma peregrina,

E me tornarás, afinal, tua cativa.
Olha a manhã, as flores, estou sempre aqui
E te envolverei, ardente, sempre viva.


Jane Moreira