domingo, 5 de outubro de 2014

Barreiras






Barreiras

Tinha a mente perdida e entrevada,
Como caminhos que se cruzam numa encruzilhada.

Fronteiras, abismos, labirinto formado
Tornaram mente e corpo enclausurados.

Antigos desejos sentidos
Ficaram entorpecidos...

Mas como o guerreiro faminto de amor
Que, atado ao navio, ouviu o clamor,

Viu no labirinto, um muro a transpor, um desafio
E venceu o touro bravio.

E, no labirinto, o muro de emoções cedeu,
Como o touro que o guerreiro venceu.

É que amor e a paixão
Brilham na escuridão.

Jane Moreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário