terça-feira, 19 de agosto de 2014

Alma Torta (indriso)

Mote:
Sinto vibrar em mim todas as comoções
D'um navio que sulca o vasto mar;
Chuvas temporais, ciclones, convulsões
Conseguem a minh'alma acalentar.
— Mas quando reina a paz, quando a bonança impera,
Que desespero horrivel me exaspera!

Charles Baudelaire, in "As Flores do Mal"
Tradução de Delfim Guimarães



Amo o vento que ruge como um felino feroz
E o horror da noite escura mais atroz.
Fascina-me a chuva, a tormenta, a tempestade.

Dói-me o peito, sinto a agonia da ansiedade
Se, ao acordar, se me depara o brilho do sol:
Minh’alma se revolta ante tanta claridade.

Todo o meu ser vibra ante a procela.

E, nos becos mais escuros, meu eu se revela.

Jane Moreira






Nenhum comentário:

Postar um comentário