domingo, 17 de agosto de 2014

Chuva



Mote: Opostos - Para contrariar os versos de Amélia de Morais


DIA DE SOL

O sol radiante surgiu entre as nuvens
Gotas de amizade caíram em minh’alma
Palavras, canções e outros tantos bens
Fizeram-me enxergar, com calma
Além, muito, muito além dos homens!
Agora caminho, aberta, esperta, certa.

Amélia de Morais





Chuva,
Que chega lambendo as faces,
Regando as plantas
E lavando o chão,

Sutilmente,
invade minha solidão.
E as gotas
vão formando poças.

E as poças
divertem as moças
e deslizam pela vidraça,
que se embaça.

A vidraça embaçada, a dor que rejeito,
a poça, as moças, a solidão,
compõem o cenário perfeito
para os gritos da alma, ao som do trovão.

Mas as moças 
dão risadas das poças 
que parecem lágrimas 
que se formam no chão.

Jane Moreira






Nenhum comentário:

Postar um comentário