quarta-feira, 30 de julho de 2014

Amor eterno (um soneto livre)


Mote:
''O que a memória ama, fica eterno.
Te amo com a memória, imperecível.''
Adélia Prado



Amor eterno

Meu amor é forte como o aço 
e suave como o algodão.
Brilha na calma e na paixão
e repousa em meu cansaço.

Se adormeço, meu amor 

é meu anjo, vigiando a escuridão,
Se sofro, o afago sincero afasta a dor
e faz a minha renovação...

E não poderia ser menor esse amor 

que ultrapassa o tempo e o espaço
para chegar a meu abraço.

Amor que se renova, esse valioso condão,
Sublimação de quem o vive em cada compasso
E se renova tal qual a alegria e a vida em comunhão.




Jane Moreira






Nenhum comentário:

Postar um comentário