segunda-feira, 11 de março de 2013

De Dimensões





De Dimensões

Não conheço a amplidão,
E desconheço a Verdade.
Caminho na escuridão,
E o espírito na claridade,

Espírito que, nesta dimensão,
Já viajou muitas vidas,
Sabe qual é a sua missão,
Na vida feliz ou sofrida.

Na ira e na delicadeza,
É o espírito o acolhedor.
Nele moram o vício e a pureza,
A alegria e também a dor.

Crises de agonia,
Instantes de desalento,
Momentos de harmonia,
Espasmos de sofrimento,

Podem ser minhas escolhas,
Elas guiam meu destino.
No espírito ficam as folhas
Do livro que eu assino.

Jane Moreira







Incompletude



Incompletude

Sou como a folha solta ao vento,
Quando estás de mim tão perto,
Quando sinto a alma num deserto
E longe vai seu pensamento...

Sou como o orvalho que cai
Da folha direto ao chão,
Quando sinto que a paixão
Como fumaça, se esvai...

E você é como o vento
Violento, frio, cortante,
E eu sinto que o instante
É indício de dor e sofrimento

É o amor pela metade,
Incompleto, rarefeito,
Árido, imperfeito.
É o amor do nosso jeito.

Para nós, esta incompletude
É o que nos liga, nos separa e nos ilude...


Jane Moreira






A Pastora

Enveredando pelos caminhos da Poesia pastoril (Arcadismo)






A pastora

No campo florido, gentil figura,
Confunde-se com flores à sua volta...
Ela vem de manhã, doce ventura,
Cabelos reluzindo ao arrebol...

Teus olhos brilham mais que a própria aurora.
São eles a estrela guia na noite,
Quando te procuro, no frio de açoite,
E te cubro de beijos, linda pastora...

Não fujas, linda musa que me inflama,
Sou eu quem te ama, teu pobre pastor.
Vem ter comigo, minha linda dama...

E Cupido me inspira tanto ardor,
Que já não posso deter esta chama,
Que me consome, qual meu grande amor.


Jane Moreira