domingo, 20 de janeiro de 2013

Frágil



Frágil


A flor é bela no meu jardim,
Até o momento de murchar...
Intensa é a vida
Do pai amoroso, da mãe querida,
Do amante ardoroso,
Até a hora de terminar...

Linda é a pele macia
Que, de repente, como ventania,
Como a flor, vai murchar...
A pele tão frágil pode ser ferida,
Fazendo findar a vida...

Não é tão frágil a poesia
Que falará de amor,
Até quando o poeta se for....
A poesia ficará.

Não é frágil o amor
Que tivermos alimentado
E que é nosso maior legado...
E que vai perdurar.

Pois não somos donos de coisa alguma.
Tudo na vida nos é emprestado...
Nem a beleza do rosto,
Ou a flor que perfuma.

E nem as vestes, a casa
E nem a joia ou o doutorado,
Ou o dinheiro acumulado.
Tudo isso vai ficar...
Somos grãos de poeira
Diante da imensidão.

De tudo o que vivemos
E que viveremos,
Só o amor, forte como o aço,
Mais valioso que o ouro
E suave como o algodão,
Será sempre nosso único tesouro.

E o que levaremos sempre conosco
Serão todos os amores
E deixaremos
Todas as tristezas e todas as dores...



Jane Moreira