segunda-feira, 30 de setembro de 2013

O aprendiz (rondel)

Mote:

De Affonso Romano de Sant'anna

Gosto de me iludir pensando
que hoje amo melhor que ontem amei.
Assim desculpo o jovem afoito
que, em mim, me antecedeu
e, generoso, encho de esperanças
o velho sábio
que amará melhor que eu.


O aprendiz

Quando jovem, o sábio ancião,
que muito amou, nas tardes primaveris,
na ânsia de viver e ser feliz,
feriu seu amor, sem perdão.

Ele era ainda um aprendiz...
Essa foi sua perda, sua perdição,
quando jovem, o sábio ancião,
que muito amou nas tardes primaveris.

Seu medo, sua ânsia em explosão,
deixou marca e cicatriz.
E fez, do amor, sublimação
do que quis e do que não quis,
quando jovem, o sábio ancião.



Jane Moreira



Nenhum comentário:

Postar um comentário