segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Quando é só chama

Mote:
 Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.
Porque os corpos se entendem, mas as almas não.

(Manuel Bandeira)






Quando é só chama

Nas turbulentas águas
Do oceano da paixão,
Ondas de desejo
Invadem a emoção
Amantes se deixam levar...

Depois desse instante,
Corpos satisfeitos
E melancolia constante...

Ardendo de desejo,
Corpos se procuram.
E, sem pejo, o arquejo
do corpo que se entrega.

Mãos que parecem tentáculos
Livrando-se dos obstáculos,
Enlaçam, desvendam,
E se envolvem na teia
Corpo que anseia,
Corpo que devora,
Enquanto a alma vagueia...

Respiração ofegante,
Veias pulsantes...
E os corpos,
Num só pensamento,
No esperado momento,
Juntam-se num só.

Nossos corpos se entendem.
Apenas os corpos se entendem.

Se for somente paixão.


Jane Moreira


Nenhum comentário:

Postar um comentário