segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Duas almas entrelaçadas (soneto livre)

Mote:

de Castro Alves a primeira estrofe de:
AS DUAS FLORES

São duas flores unidas
São duas rosas nascidas
Talvez do mesmo arrebol,
Vivendo no mesmo galho,
Da mesma gota de orvalho,
Do mesmo raio de sol.






Duas almas entrelaçadas


Almas entrelaçadas,
Desde muitas vidas já vividas,
Encontram-se em muitas jornadas:
Vidas entre si divididas

Além do corpo e da beleza,
Atravessam essa máquina perfeita
E, além da matéria, nas profundezas
Do espírito, são aprendizes refeitos...

E voltam, aprendizes novamente,
Nesta escola que nunca se cansa
De receber alunos novos e repetentes

E de infinito a finito, na mesma dança,
Unidas almas, de finito a infinito,
Da mesma flor, bendita semelhança.

Jane Moreira







Nenhum comentário:

Postar um comentário