sexta-feira, 19 de abril de 2013

Vida (indriso)

Mote:
Madrigal
O que eu adoro em tua natureza, não é o profundo instinto maternal
em teu flanco aberto como uma ferida. Nem a tua pureza.
Nem a tua impureza. O que eu adoro em ti lastima-me e consola-me.
O que eu adoro em ti, é a vida.
                                                Manuel Bandeira



Vida

No prólogo de tudo, eu, vaticinando, dizia
Que meus dias seriam os dias de leveza e alegria
E minhas noites com você seriam de sonhos...

Ao teu lado, vejo a vida em tons raros:
Borboletas azuis em flores douradas,
Mágico cenário compondo a nossa estrada.

Profundas páginas de esplendor preenchem nosso livro da vida.

Inúmeras borboletas azuis esvoaçam em torno de ti...


Jane Moreira












Nenhum comentário:

Postar um comentário