sexta-feira, 19 de abril de 2013

Sem solução

Mote:

(Só
rumores
de cão
de gato
e passarinho
ouço
deitado
no quarto
às dez da manhã
de um novembro
no Brasil)


FERREIRA GULLAR





Sem solução

É mês de novembro, flores juvenis
De um ano qualquer...Não importa...
É dia. E a mente pondera...

Se eu estivesse em Paris...
Seria outono, as folhas douradas, flores mortas,
Beleza dourada que minha mente encarcera...

Mas estou aqui, me acompanha a solidão.

Em Paris seria deserto, fica o dito pelo não dito: sem solução.


Jane Moreira




Nenhum comentário:

Postar um comentário