sexta-feira, 5 de abril de 2013

De versos e versos

Mote:
“...melhor se guarda o vôo de um pássaro
Do que de um pássaro sem vôos.
Por isso se escreve, por isso se diz, por isso se publica,

por isso se declara e declama um poema:

Para guardá-lo". 
                        Antonio Cicero



De versos e versos

Tantos versos fiz e os guardei...
Outros, por poeticídio, descartei.
E, nos momentos felizes, versei
E, quando estava infeliz, eu os rasguei.

Na roda viva da vida,
Que age e reage na terra e no espaço,
Que fecha e reabre a ferida,
Minha poesia é só um pedaço

Que, no pensamento, ocupa seu instante
E, no espaço, voa como pássaro feliz,
Ou, no túmulo a obra que ninguém quis.
E, no papel, se torna cicatriz.

E o que escrevi, tão triste, no escuro,
Escondi, sem arrependimento.
E o que escrevi, no claro, sem muro,
Soltei, livremente, ao firmamento.

Meus versos livres estão por aí, vagando...
Podem estar nas mãos do aprendiz...
Nas mãos de quem eu não quis
Ou nas mãos de quem eu sempre quis.

Jane Moreira






Nenhum comentário:

Postar um comentário