sábado, 5 de maio de 2012

Sobressalto





Sobressalto

Na varanda, sentado
De repente, o arrepio...
E, sobressaltado,
Percebeu não ser de frio
Ouviu passos apressados
E silêncio então se fez.
No silêncio, só o som do rio
E de um pássaro, ao longe, talvez.

Jane Moreira




Sintomas de amor




Sintomas de amor

O sorriso sem motivo aparente,
Aquele olhar sonhador...
Um não-se-o-quê de melancolia,
Uma saudade escondida...
Um sonhar além da vida,
Que faz surgir ondas de alegria
E, no corpo, um sutil torpor...
É a essência da vida:
É o amor....

Jane Moreira








SEM MEMÓRIA



SEM  MEMÓRIA


Não me recordo de ti,
 não celebro, nem lamento
o que dizes ser nossa história.
Vivo para o presente momento...
Do passado não restou memória,
nem derrota e nem vitória.


Jane Moreira


É tarde





É tarde

O medo tomou conta de mim...
Ando triste, triste é o caminho
Para quem anda sempre sozinho.
E andar sozinho, em vida, é morte.
Perdi o rumo, perdi o norte,
Minha vida é nostalgia.
Será tarde para a alegria
Àquele que nasceu sem sorte?

Jane Moreira



Como se fosse nuvem



Como se fosse nuvem...

Foi como se alguém chegasse...
e eu, da solidão, escapasse.
Como se fosse o repouso,
e, afinal, encontrasse o meu pouso.
Como se fosse um presente,
que esperei no passado,
chega, agora, embrulhado,
na leveza das nuvens de algodão...

Jane Moreira



Versos nas estrelas




Meus versos são a luz cintilante
a guiar-me nos caminhos da vida.
Quando penso estar perdida,
O verso é a estrela constante.

A Poesia é o meu mentor,
minha estrela e proteção.
Quando fujo da dor,
encontro luz na escuridão.

Quando me junto às estrelas,
companheiras do anoitecer,
meus versos fluem ao vê-las,
como gotas de luz a verter.

Jane Moreira


Noites de espera




Noites de espera

De pé, naquela varanda,
O tempo volta, de repente,
Sob aquela luz branda,
Embalado pelo som do mar.

Ao longe, aquela sonata,
No crepúsculo, a ecoar.
Mais perto, a cascata
Corre límpida ao luar...

Em noites assim,
A saudade encontra o caminho
E vem chegando de mansinho
Querendo se instalar...

E, pela noite adentro,
A cascata a sussurrar,
O manto prata do luar
E a sonata a embriagar...

Mais uma noite a esperar...


Jane Moreira






Vagando no espaço



Vagando no espaço

Ainda ouço as palavras
Que dissestes um dia,
Não foram de amor...
Foram palavras doces,
Impregnadas de dor...

As palavras ficaram no espaço
Anos a fio, num adeus doloroso,
Ecoando em torno de mim,
No mesmo tom ansioso:
Tua voz, no dia do fim.

A palavra dita
Não pode ser retirada.
Assim, a minha desdita
Ficou registrada
No espaço, vagando,
Tuas palavras embalando...


Jane Moreira