terça-feira, 27 de março de 2012

Dos meus eus



Dos meus eus

O poeta disse uma vez
Que “é um fingidor”
E, como sou um aprendiz,
Como posso me opor?

Nasci e, como diria outro poeta,
“Fui bem nascida e feliz”.
Mas não “veio o mau destino”,
O que fiz foi porque quis.

Andei por tantos caminhos,
Tive muita desilusão...
Também tive meus carinhos,
Minha cota de paixão.

Se digo a verdade ou não,
Nem tente descobrir.
Posso ser do que digo, o avesso,
Mas posso ser a certeza da razão.

Sou sincera, mentirosa,
Grande dama, verdadeira...
Ou mulher sem recato, ardilosa,
Uma grande trapaceira...

Se nem as nossas células
São as mesmas depois de um tempo,
também eu não sou sempre a mesma
De antes, neste momento.


Jane Moreira


Nenhum comentário:

Postar um comentário