sábado, 14 de maio de 2011

Carpe Diem II

MOTE:

"Depois de anos acariciando as dores que me deixaram partida,

finalmente as deixei partir.......E fiquei inteira."(Fernanda Gaona)




Carpe Diem II


Vivo o hoje intensamente,
Que o ontem já passou,
Feliz, ou infeliz[mente]...
E o amanhã, nova[mente]
Pode vir e pode não vir.

Não me deixo esmagar pela culpa,
Nem fico procurando desculpa.
Sigo em frente, tão somente,
Vivendo o meu presente.
Banindo a nostalgia...

Festejo a bonança do dia que nasce,
Não faço cobrança. Meu tempo é agora,
Não tenho más lembranças.
Sou mulher e sou criança,
Que brinca e dança, num dia de cada vez


Jane Moreira






Vergonha




Vergonha




A mancha não se desmancha, nem se cansa. E avança...
Sei que vai deixar por herança a matança e a desesperança...
Engole o rio devagar, toda a vida no rio e no mar.

A mancha avança... No rio, ela dança
A dança da morte. E não existe esperança
Que ela se aborte.

A mancha, que mancha de trevas a vida do rio
É mancha medonha, 
Símbolo de vergonha,

Que avança e avança
E de invadir não se cansa...
Ferindo, sujando, matando o rio e o mar,


Jane Moreira


Eu ouvi


Eu ouvi

Eu ouvi  e vi o que você fez,
senti o que você pensou.
As palavras que você não pronunciou,
foram as que mais doeram...

Bastou-me, naquele instante,
compreender a essência
e ater-me à transcendência
daquele sentimento gigante.

A palavra tem duas metades:
Nem sempre a metade mente...
Nem sempre carrega a verdade.

Se não me basta o gesto, somente,
é porque não quero a metade.
Eu te quero de corpo e mente.

Jane Moreira