sábado, 7 de maio de 2011

Alívio -

MOTE: Olhos nos Olhos - Chico Buarque
Alívio

A porta da casa
é sua serventia.
Foi o que eu lhe disse,
quase com alegria,
quando você me deixou...

Já não fico presa à janela,
esperando você chegar.
Esperando seu beijo frio
e seu discurso vazio
sem intenção de agradar.

Hoje sou mais bonita,
e o que você não quis
muitos outros quiseram...
E eles me fizeram
Mais mulher...

Foi você quem partiu...
Foi você que não quis...
Agora é que descobri
que posso ser mais feliz.

Jane Moreira




Lembrança




Lembrança

Vinha de mansinho...
Pés descalços e sorrindo.
Olhos pedindo carinho...

Tinha um jeito de menino,
Cabelos revoltos molhados
E doces olhos dourados.

Aquela lembrança
Fez-me sentir, por um momento,
Aquele mesmo encantamento.

Sua imagem ficou gravada
Em minha mente e em minhas retinas,
Desde aquele tempo de menina.

Senti um vento cortante
E estremeci naquele instante.
Levantei-me e segui adiante...

Jane Moreira.






De delicadezas e rudezas



De delicadezas e rudezas

Em toda a natureza,
Há um toque de rudeza.
O espinho da rosa-beleza
Nada tem de delicadeza.

A chuva, que limpa o ar,
Também é capaz de matar.
Assim é o imenso mar,
Que pode nos enganar.

Nosso planeta, a Terra,
Em si mesma encerra
Grandes palcos de guerra,
Que muita gente enterra.

E assim é a vida-surpresa,
De percalços e beleza,
De alegria e tristeza,
De suavidade e rudeza.


Jane Moreira


Meus Passarinhos




Os meus são livres, voando, eles vêm e vão,
e são pais e mães, donos de sua ninhada,
donos de seu tempo, sem prisão.
Bebem a água do riacho, saem em revoada.

Voltam mais tarde, e, se tem trovoada,
procuram seus ninhos, em mutirão
nas árvores-mães onde fazem pousada,
seu porto seguro, sua proteção.

Aqui são livres, meus passarinhos...
Por aqui gerações já passaram.
Aqui fazem seus próprios ninhos.

E seu espaço não tem fim;
com prisão, decerto, nunca sonharam.
E a natureza é sua escola , sua casa, seu jardim...


Jane Moreira
.