quinta-feira, 5 de maio de 2011

Rompendo a escuridão


Mote: Quando os olhos pousam no infinito.


Rompendo a escuridão

Sonhava, sentindo-me desvanecer,
O frio invadindo meu ser
E gelando meu coração...

Sentia que vagava
E minha alma caminhava,
Depois corria pela imensidão.

E eu sonhava sonhos ou fantasia...
Sonhos surreais, que não entendia,
Sobrenaturais? Ou não?

E, ao pousar os olhos no infinito,
Contemplando o mundo que habito,
A claridade invadiu a escuridão.

Escuridão que me envolvia,
E que não compreendia...
No vazio da minha solidão.

Minha alma via
E eu não entendia
E sofria em vão.

E vislumbrei, eu, criatura,
A grandiosa arquitetura,
Devassando a escuridão.

O Grande Ideal
Descortinou-se, afinal:
A suprema perfeição.

E minhas viagens oníricas
Ganharam sentido real...


Jane Moreira





Vivendo livre.


Vivendo livre

Não temo a falta, não temo o medo,
Não temo o excesso, nem tenho segredo.
Não temo o futuro, nem o passado.

Nunca me vi em estado de alerta,
E nunca deixei a porta aberta,
De susto não morro, não sou desavisada.

E se me engano, se me abstenho,
Se perco, se ganho, eu me contenho...
Se me entristeço ou se me contento, sigo calada...

Vivo livre, não tenho limites, nem sinto dores
Não tenho escravos, não tenho senhores,
Meu ser respira somente o ser libertado.

Posso ter alguns amigos,
Nunca tive inimigos...
Vivo livre, sem remorso e sem pecado.


Jane Moreira







Terror silencioso



Terror silencioso

Anseio pelas luzes de neon
E gente passando na rua...
Quero gente para conversar
E o calor de um meigo gesto,
Quero até o tráfego congesto...

Nessa hora, quero o som da chuva
Caindo e o som dos carros.
Quero um colo protetor
Que abafe meu terror...
E onde eu possa me esconder de mim...


Tenho medo do escuro
E tento ultrapassar o muro
da melancolia e do medo.
E o silêncio ensurdecedor soa
como um som de vingança,
como se fosse cobrança...

Jane Moreira








De ciúme e de chama



De ciúme e de chama


Deixa de lado o ciúme
Que fez de nosso caso
Um caos de queixume.

Esse teu desejo é profundo,
Mas, te acalma, que o mundo
Não se prende à tua alma.

O ciúme te queima, sim,
Porque é chama.
Arde em mim, porque arranha.

Vamos eternizar nosso amor
Apagando a chama,
Que só causa dor.


Jane Moreira