quarta-feira, 1 de junho de 2011

A metrópole




A metrópole

Parece um enxame, toda essa gente
Nas ruas, calçadas, avenidas.
Vozes misturam-se ao som do vento,
Que se mistura à concentração de odores,
Que se mistura ao sabor das cores,
Que bailam para cima e para baixo,
Caminhando entre as luzes que oscilam
Entre o burburinho causado pela multidão
Que passa e não ouve, que olha e não vê...


Quando chega a madrugada,
A metrópole quase vazia, já cansada da invasão,
Ainda tenta ouvir seu próprio som...
Mas é aparente a calmaria:
Alguém passa cantando...
Na calçada, um outro dorme...
E nem mesmo a escuridão das noites sem lua,
Deixa a cidade dormir. Então, vem chegando,
Aos poucos, outras vozes, outros risos, outros passos,
Outros gritos, sussurros, gente que passa e não ouve,
Gente que olha e não vê...


Jane Moreira







Nenhum comentário:

Postar um comentário