quinta-feira, 5 de maio de 2011

Sem ilusões


Mote:
Desenrolei de dentro do tempo a minha canção:
não tenho inveja às cigarras: também vou morrer de cantar.

Cecília Meirelles



Sem ilusões

Nada espero,
A mais do que já sou,
Do que já pretendi ou quis...

O tempo passou,
E nem espero mais ser feliz,
Ou infeliz...

Nada quero além
Do que o tempo construiu,
Nem espero alguém...

Não quero saber se tudo ruiu...
Não sonho, nem sonharei
Com o que jamais alcançarei...

Nada serei
Para quem nunca verei.
Isto também jamais almejei.

Não me entrego
A qualquer fantasia.
Nada mais sou do que fui um dia.

Só me importa
O concreto, o palpável,
Jamais o imaginável...

Não dou chance
Às decepções.
Eu não tenho ilusões.


Jane Moreira









Nenhum comentário:

Postar um comentário