domingo, 15 de maio de 2011

Dor de amor



Na quietude da noite,
a chuva cai devagar.
O vento, como um açoite,
faz barulho de assustar.
É quando a dor se acentua
e a alma fica nua,
mostrando aquela dor antiga,
arquinimiga, velha dor:
Dor de amor no rosto crispado,
lágrimas caindo, olhar nublado,
Soluço vindo...Dor de amor...

Jane Moreira





Nenhum comentário:

Postar um comentário