sexta-feira, 6 de maio de 2011

Amor platônico


MOTE:
Suave é a bela como se música e madeira,
ágata, telas, trigo, pêssegos transparentes,
tivessem erigido a fugitiva estátua.
Para a onda dirige seu contrário frescor.
PABLO NERUDA

Insistindo
No amor platônico,
O tônico
De seu viver,
O poeta,
Faz versos à bela,
Na fantasia que criou:


Tu te revestes de mármore...
A mim, basta amar-te.
Querer-te só para admirar-te...
Imagem que é alento, alimento e viagem


Intocável figura, como a espuma,
que se dissolve nas mãos,
és meu sonho, que minha vida perfuma
És meu ícone de adoração.


No pedestal
em que te coloquei,
linda, fria e lisa,
indiferente, como o metal.

Estátua de pedra, és ninfa ou flor?
Tu te confundes com o mar abissal
Símbolo do meu amor,
suavidade paradoxal.


Inteira e intocada,
sempre virgem admirada.
Que não a toquem,
estátua de sal, de pedra ou de cristal...

Jane Moreira






Nenhum comentário:

Postar um comentário